Adicione aos Favoritos
Clique para Pesquisar
    
 
"Toda a Verdade passa por três fases.
Primeiro, é ridicularizada.
Segundo, é violentamente atacada.
Terceiro, é aceite como evidente"
Schopenhauer

VISITAS
1639439
Desde 13/06/06

Uma balsa à deriva chamada Portugal
PDF Imprimir e-mail

ImagePor João José Brandão Ferreira (Oficial Piloto Aviador) 21/10/16

É necessário um sabre tendo
ao lado um pensamento”
Eça de Queirós, 1890

O recente despacho do Ministro da Saúde, datado de 28 de Setembro, que obriga os hospitais a controlar a despesa, obrigando à autorização prévia de qualquer “investimento” (o que inclui, por exemplo, a reparação de um equipamento), é o mote deste escrito.

Salazar equilibrou as finanças em menos de dois anos.

É certo que o “deficit” e a dívida não eram tão elevados como hoje, mas não deixa de ser certo que o país estava a sair de 18 anos de granel, quarteladas mensais e bombas nas ruas.

A banca internacional já existia, mas não existia o BCE, nem o euro.

A Troika da altura (a Sociedade das Nações) quis impor-nos condições leoninas, mas estas foram rejeitadas. O que se conseguiu “iludir” e ultrapassar foram a grande depressão de 1929 e a crise da libra de 1931…

Salazar impôs uma ditadura financeira, que estava apoiada nas baionetas da grande maioria dos militares e não tinha a cáfila do compadrio e, ou, querelas partidárias a estorvá-lo – os grandes causadores da crise em que o país então se encontrava.

Hoje, isto é, desde 2010, também se ensaiou uma ditadura financeira, só que o modo como se quer resolver “a crise” é em tudo diferente do que se passou há quase cem anos. E é diferente para pior, mesmo pondo de parte a diferença de categoria entre os protagonistas de então e os actuais.

Agora as forças políticas que querem resolver o buraco e o desregramento financeiro existente são as mesmas que o criaram com a sua incompetência, demagogia, antipatriotismo e incontinência para o negócio (já nem falo noutras coisas); estão prisioneiros da tralha partidária; não existe doutrina nem rumo definido, fora as alterações constantes derivadas das eleições; dizem hoje uma coisa e amanhã outra, com a maior desfaçatez; estamos tolhidos por tratados internacionais que nunca deveríamos ter assinado e é raro encontrar na classe política e órgãos de soberania, quem dê o exemplo de contenção, justiça relativa e moralidade.

Os recentes anúncios dos vencimentos dos novos administradores da Caixa Geral de Depósitos, por exemplo, são de uma escabrosidade inusitada! E não há pingo de demagogia no que estou a dizer: a brutalidade da afirmação apenas condiz com a gravidade do erro, da injustiça e da imoralidade!

Ora ninguém vai atrás, ou está de boa vontade, com aqueles que não dão o exemplo.

Enquanto Ministro das Finanças e depois como Presidente do Conselho de Ministros, Salazar inspirou ou propôs muitas leis, mas assim que estas eram decretadas ele era o primeiro escravo delas.

As leis foram sempre poucas, mas eram maturadas, não continham excepções nem “alçapões”, estavam escritas em bom português e não havia recurso a “outsourcings”.

Mas a verdadeira diferença que pretendo trazer à colação com o recente exemplo deste despacho da “geringonça” – até este termo se coaduna com as trapalhadas actuais e contrasta com a seriedade de antanho – é o que ele representa.

Notem, o “tio” António impôs limites estritos nas diversas rubricas do orçamento de cada ministério, e nenhuma despesa extra era permitida sem a sua chancela, mas não interferia na gestão que os diferentes responsáveis faziam das verbas que lhes cabia gerir.

Hoje é o que se vê, um Director Hospitalar não tem competência para comprar um rolo de papel higiénico, da mesma forma que um General Chefe de Estado-maior não consegue promover um soldado sem a anuência de um amanuense qualquer, do Ministério das Finanças.

E o “outro” é que era um ditador!…

Tudo isto, além de entupir os canais hierárquicos e burocráticos, desautoriza toda a estrutura dos diferentes ministérios e não só, trata toda a gente abaixo da menoridade mental e desmoraliza qualquer pobre de Cristo, o qual na melhor das hipóteses se senta a um canto e deixa o tempo correr.

É uma clara demonstração de incompetência, arrivismo, desconfiança e falta de saber e capacidade em responsabilizar seja quem for, pois é disso sobretudo que se trata. É uma clara demonstração de fraqueza, escondida atrás do maior absolutismo esclarecido, que deixaria o Sebastião José – também conhecido por Marquês de Pombal – com as faces ruborizadas!

De facto não há sabre nem pensamento que nos salve; apenas existe uma balsa sem leme nem timoneiro e com os ocupantes a baterem nos remos uns dos outros.

Iremos parar, pois, onde a “corrente” nos levar…

Vamos, porém, contentes, pois conseguiram meter na generalidade das cabeças, que esta calamidade moral e política onde vegetamos se chama um “estado de direito democrático”.


Lido: 494

  Comentários (1)
1. Escrito por Joaquim B. Saltão, em 10-01-2017 14:24
O pior disto tudo é que a putativa jangada, sem controle, está a encaminhar-se contra um promontório onde não vai haver salvação possível e todos que vão lá dentro parecem não querer aprender a nadar.

Escreva um comentário
  • Por favor, faça um comentário relacionado apenas com o artigo.
  • Os comentários serão validados pelo administrador antes de aparecerem no site.
  • Evite erros ortográficos e/ou gramaticais.
  • Ataques verbais e/ou pessoais não serão publicados.
  • Não utilize os comentários para fazer qualquer publicidade.
  • Se preferir, não necessita de indicar o seu e-mail.
  • Caso tenha indicado um código de validação errado, faça *Refresh* para obter um novo.
Nome:
E-mail:
Página Pessoal:
Título:
Comentário:

Código:* Code
Pretendo ser contactado por e-mail caso haja futuros comentários

Powered by AkoComment Tweaked Special Edition v.1.4.6
AkoComment © Copyright 2004 by Arthur Konze - www.mamboportal.com
All right reserved