Adicione aos Favoritos
Clique para Pesquisar
    
 
"Toda a Verdade passa por três fases.
Primeiro, é ridicularizada.
Segundo, é violentamente atacada.
Terceiro, é aceite como evidente"
Schopenhauer

VISITAS
1639380
Desde 13/06/06

Notas falsas assumidas como verdadeiras?
PDF Imprimir e-mail

Segredos  do Euro 8

ImagePor Rainer Daehnhardt

Ao que se chegou! O nível das falsificações das notas do Euro já é tal que as máquinas examinadoras não as detectam.

Assim, o que interessa hoje não é serem verdadeiras ou não. O importante é que “passem” pela máquina, sem que esta reclame.

A ”Zona Euro” não é um país, mas uma espécie de polvo que estende os seus tentáculos à volta do globo, a todos os locais onde os seus “farrapos de papel” são aceites (farrapos esses que nem indicação trazem de quem por eles se responsabiliza). Deveria chamar-se “Absurdistão”.

Nem é na Europa sequer que mais notas falsas estão agora a aparecer, mas sim noutros continentes, precisamente nas áreas de acção dos seus tentáculos, onde a verificação da sua autenticidade mais difícil se torna.

Uma das mais repetidas promessas vazias que se propagaram aos quatro ventos, quando se impôs (sem plebiscito) esta pseudo moeda, foi a de se tratar de notas impossíveis de falsificar, o que tornaria a sua circulação muito mais segura.

Rapidamente se verificou o contrário! As primeiras falsificações, ainda ingenuamente fabricadas em boas máquinas fotocopiadoras, tiveram vida curta.

O seu papel não era apropriado e careciam de hologramas de qualidade. Também eram detectáveis por desconhecimento dos dois segredos que sempre se evitou mencionar. Um foi entretanto descoberto. Refiro-me à necessidade das notas “tocarem a Raspa”. Para ser mais claro: na parte superior das notas, existe um grupo de linhas paralelas verticais em alto-relevo. Passando com a unha por cima delas (ou seja, “raspando”) provoca-se um som parecido com: “TAC-TAC-TAC-TAC-TAC-TAC-TAC-TAC-TAC…”. As falsificações por meio de fotocopiadoras não conseguem produzir este efeito, o que tornou fácil a sua detecção.

Entretanto, muitos bancos introduziram máquinas de contar notas que também detectavam tais erros, recusando a sua aceitação.

O BANCO CENTRAL EUROPEU ainda reportou, em 2010, a retirada de cerca de 750.000 notas falsas de Euros e indicou recentemente, com uma certa satisfação, que o quantitativo de notas falsas em circulação apreendidas em 2011 baixou para 606.000 exemplares.

Para os ingénuos, trata-se de um sinal positivo, pois parece que a introdução das máquinas verificadoras baixou o volume de falsificações de Euros em circulação.

Acontece porém que a boa colaboração das polícias dos diferentes países, no que diz respeito à fabricação de dinheiro falso, teve resultados muito melhores ainda. Descobriram, por exemplo, oficinas no Sul da Itália, na Bulgária e na Lituânia, que trabalhavam com alta tecnologia chinesa. Os seus produtos tornaram-se muito difíceis de reconhecer.

O pior, porém, é a crescente desconfiança criada por países membros da Zona EURO, que estão a colocar grandes quantidades de notas verdadeiras, mas não autorizadas em circulação, para tentar melhorar as suas contas.

Portugal é dos poucos países que não estão sob esta suspeita. Até pela simples razão de não nos ter sido permitido imprimir notas de 200,- Euros e de 500,- Euros. Em Bruxelas e Frankfurt consideram-nos um país secundário e de pouco peso que não necessita de imprimir notas grandes. Com a vizinha Espanha já esta situação muda de figura.

Assim, existe o perigo de uma espécie de “inflação tolerada, por impossibilidade técnica da sua anulação e ausência de vontade política de verificar quem está por detrás”.

Com isto cai mais e mais a confiança em relação ao dinheiro papel (algo já previsto pelos “Protocolos”) e, assim, até bem-vindo pelos defensores da implantação do “chip”.

A título de mera curiosidade, refira-se que Portugal é a nação à qual já por duas vezes coube um papel interessante no que diz respeito ao dinheiro papel. No fim do século XVIII, quando o Governo Central impôs a aceitação de dinheiro papel nas ilhas açorianas, os açorianos juntaram todo o dinheiro papel, algo aos seus olhos obviamente sem valor, e fizeram uma fogueira gigante, destruindo-o na sua totalidade. Deve-se mencionar que poucos anos antes já tinham sido forçados por decreto do Governador a aceitar moedas falsas em cobre banhadas a prata, algo que levaram muito a mal (ainda por cima, as falsificações tinham sido feitas por um familiar do Governador). Também foi apenas Portugal que teve um Alves dos Reis que mandou, por sua conta e risco, imprimir notas de 500 reis na tipografia britânica que fornecia o dinheiro a Portugal, colocando as mesmas em circulação através do seu banco em Angola (algo que incrementou substancialmente o comércio angolano).

Serenamente, assiste-se em Portugal à agonia do Euro e fazem-se listas dos implicados no roubo do Escudo Nacional, que chegou a ser a 6ª moeda mais forte do mundo, coberto pelas 866 toneladas de ouro, postas de parte, para este efeito.

As últimas notícias saídas do Banco Central Europeu confirmam a classificação da EU como sendo uma espécie de “Absurdistão”. Todos os países membros pagaram a sua parte a um fundo de aposentações dos funcionários e deputados da organização da EU. Estes não apenas estipularam pensões base, na ordem de nove mil euros (mensais) como (tocados pela ganância) jogaram à roleta com este fundo de pensões. Aconteceu o que era de esperar! De repente desapareceram, ninguém sabe bem como, nem por culpa de quem, 85 milhões de euros. Óbvio é que cabe aos contribuintes dos Estados Membros reporem este dinheiro, porque seria impensável os eurodeputados ficarem sem as suas pensões. Quem ainda tiver a ingenuidade de pensar que estes não sabem das quantidades de euros que estão a ser impressos e lançados no mercado, legal ou ilegalmente, falsos ou verdadeiros, vai então saber que os representantes dos funcionários do Banco Central Europeu apresentaram no Tribunal da Comunidade Europeia uma queixa, pois não aceitam que as suas pensões estejam sujeitas ao perigo da inflação. Exigem mesmo que seja criado um estatuto especial que crie (apenas para eles) uma PROTECÇÃO ANTI-INFLACIONÁRIA para as suas reformas.

Não apenas cometem ou dão cobertura ao crime, como criam a legislação que os protege dos efeitos do mesmo!

Parece a raposa a apresentar queixa por perigo de falta de galinhas nos galinheiros!

Aproxima-se um tornado ou o tempo da grande vassourada!


Lido: 4492

  Comentários (2)
1. Escrito por Maria mafalda luis da Silva Ro, em 04-05-2012 13:02
Relatos como este devem ser cada vez mais divulgados, por estamos num mundo destruturado mentalmente e já não digo nós ( com 40,50,60 e tal anos), mas os nossos descendentes vão sofrer muito...deixo aqui o meu alerta para que se pense mais nos que vêm atrás de nós...
2. Escrito por Filipe, em 28-05-2012 15:47
Já dei por mim a pensar o que fazer quando me obrigarem de vez a aceitar ser « chipado », ou melhor quando já não houver qualquer alternativa de sobreviver sem ter esse chip da Besta dentro da pele, o que nos vai obrigar a ir lá voluntariamente. tornarme-ei eremita, fugirei para as serras? conseguirei sobreviver sem os « confortos » minimos da civilizaçao dita moderna, mas tendo em troca a minha liberdade de acção e de pensamento ? e os familiares, a mulher, os filhos ( até tenho medo de os vir a gerar ) ? como vamos gerir tudo isto na altura de fazer escolhas, entre resignar e lutar ? a sociedade orweliana satanica está ai, o ressurgimento do novo império romano, o 4º reich, enquanto nos somos dirigidos por marionetas a soldo de potencias estrangeiras. o tempo urge, pois percebe-se que os poderes das trevas estão cada vez mais apressados em avançar com o plano a todo o gás, talvez por temerem perder o controlo da situação. Penso que já faz falta um post aqui no Grifo com instruções básicas para sobreviver se escolhermos tornar-nos « proscritos », em cenários possiveis de acontecer. divulgar cada vez mais o terror do plano que estão a preparar é essencial, espalhar boca a boca, através da web, através de todos os meios á disposição..que o nosso futuro é sermos « drones » chipados..e que já vai poder haver « machado que corte a raiz ao pensamento ». 
divulguem, para quando chegar a altura já o maximo de pessoas ter ao menos a noção que « já tinha ouvido falar disto antes,.,mas não acreditei » 
 
FIlipe

Escreva um comentário
  • Por favor, faça um comentário relacionado apenas com o artigo.
  • Os comentários serão validados pelo administrador antes de aparecerem no site.
  • Evite erros ortográficos e/ou gramaticais.
  • Ataques verbais e/ou pessoais não serão publicados.
  • Não utilize os comentários para fazer qualquer publicidade.
  • Se preferir, não necessita de indicar o seu e-mail.
  • Caso tenha indicado um código de validação errado, faça *Refresh* para obter um novo.
Nome:
E-mail:
Página Pessoal:
Título:
Comentário:

Código:* Code
Pretendo ser contactado por e-mail caso haja futuros comentários

Powered by AkoComment Tweaked Special Edition v.1.4.6
AkoComment © Copyright 2004 by Arthur Konze - www.mamboportal.com
All right reserved