Adicione aos Favoritos
Clique para Pesquisar
    
 
"Toda a Verdade passa por três fases.
Primeiro, é ridicularizada.
Segundo, é violentamente atacada.
Terceiro, é aceite como evidente"
Schopenhauer

VISITAS
1639355
Desde 13/06/06

Internacional
Razões da guerra nigeriana
PDF Imprimir e-mail

Por Rainer Daehnhardt

O gigante da Indústria Militar Dantesca tem sempre umas “guerrinhas” de reserva na gaveta para quando ainda não considera criadas as condições ideais de coordenar os grandes conflitos.

Desta vez puxou pela carta da Nigéria. Ao mundo é apresentado um superhomem, que se preocupa com o bem estar de algumas centenas de raparigas raptadas. A realidade, porem, é bem diferente.

A Nigéria ultrapassou, nestas semanas, a República da África do Sul no “ranking” da principal economia entre os estados africanos. Ao mesmo tempo, assinou um contrato de 13 mil milhões de dólares com a China Popular para a construção de uma linha férrea de alta velocidade com mil quilómetros de extensão.

Comentários (1) | Lido: 3845

Ler Mais...
 
União Política: «Do que precisamos é de uma grande crise»
PDF Imprimir e-mail

Por Gerhard Wisnewski

Será que as elites do poder mundial usaram a crise financeira, talvez até a planearam, para construir um super-Estado europeu? Uma nova UEdRSS? Pelo medo e a necessidade ainda serem os que mais convencem? Em especial os novos regimes? Não pode ser. Esta minha opinião que publiquei no meu último artigo é, evidentemente, só uma teoria de conspiração. Ou talvez não? Vamos ver. Vamos dar uma vista de olhos nas declarações feitas nos últimos anos por dois globalistas importantes: Henry Kissinger e David Rockefeller.

Os estrategas europeus globais” estão a recolher a colheita, escrevi eu em 13 de Junho de 2012. «Sob o peso e as pressões da crise, a Europa será fundida num Estado federal». Devido à crise, depois de os europeus terem estado a viver, durante anos, numa atmosfera de medo e de terror, estariam prontos para o segundo passo: a UEdRSS, o super-Estado europeu. «Embora o medo possa ser mau conselheiro, é bom “vendedor”. Seja para vender vacinas contra a “gripe suína”, para banir a energia nuclear ou para novos regimes».

Comentários (2) | Lido: 5189

Ler Mais...
 
A Hungria, uma ameaça ou um Renascimento para a Europa?
PDF Imprimir e-mail

Firmemente sob controlo? A Hungria luta pela liberdade e autodeterminação

Por Ralph Studer

Após uma onda de propaganda e de relatórios falsos dos politicamente correctos media sobre a alegadamente alarmante situação na Hungria, após a pressão da UE e do FMI sobre o Governo Orbán, segue agora a política de abordagem da cenoura e da vara. No litígio sobre a reforma governamental, a comissão da UE apresentou queixa contra o país no Tribunal Europeu de Justiça. Ao mesmo tempo, impede o caminho para Budapeste receber empréstimos de emergência.

A actual situação da Hungria é mais do que contraditória. E a posição do Primeiro-Ministro Orbán não é de ser invejada. O quanto deve ser difícil para ele depender e, ao mesmo tempo, impor-se aos poderosos adversários do FMI e da UE é demonstrado no simpósio húngaro intitulado “A Hungria, uma ameaça ou um Renascimento para a Europa” que teve lugar na antiga Câmara Municipal de Viena, em 30 de Março de 2012. Entre os cerca de 220 convidados também estavam presentes representantes das embaixadas da Hungria, Roménia, Eslováquia, Eslovénia e Bósnia-Herzegovina. Para quê um simpósio destes? Para servir o equilíbrio e a objectividade, e para corrigir as informações falsas da comunicação social austríaca quanto à lei dos media e a Constituição húngara. Os oradores criticaram a cobertura unilateral dada a este evento e condenaram Bruxelas por aplicar dois pesos e duas medidas em relação à Hungria.

Comentários (1) | Lido: 5384

Ler Mais...